Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > CETEM - RJ
Início do conteúdo da página

Institucional

Criado: Segunda, 21 de Outubro de 2013, 16h02 | Publicado: Segunda, 21 de Outubro de 2013, 16h02 | Última atualização em Terça, 10 de Janeiro de 2017, 23h52 | Acessos: 18107

O Centro de Tecnologia Mineral (CETEM), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), atua no desenvolvimento de tecnologia para o uso sustentável dos recursos minerais brasileiros, com foco na inovação tecnológica para o setor minerometalúrgico. Os benefícios advindos das pesquisas realizadas no Centro são, ainda, utilizados em prol da sociedade brasileira, contribuindo para o crescimento e desenvolvimento do País. No âmbito do governo federal, o CETEM é a única unidade de pesquisa focada à tecnologia mineral e ao meio ambiente.

Atualmente, a instituição reúne corpo técnico qualificado para atender às demandas do setor extrativo mineral, incluindo a área ambiental. O quadro atual de recursos humanos da instituição é composto por 340 colaboradores (dezembro-2016), incluindo 40 pesquisadores, 20 técnicos efetivos, 40 bolsistas de iniciação científica, 15 estagiários e 20 alunos de mestrado e doutorado, em parceria com universidades. Nossos profissionais desenvolvem atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) com amostras de empresas de quase todas as unidades da federação, com destaque para o estado do Espírito Santo, que conta com um Núcleo Regional, em Cachoeiro de Itapemirim.

A sede do CETEM está situado em uma área de 60.000 m², sendo 21.000 m² de área construída, no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Ilha da Cidade Universitária. Esse espaço reúne 21 laboratórios e quatro usinas-piloto, além de uma biblioteca especializada. Nesta unidade, são executadas atividades de PD&I focadas, principalmente, em caracterização mineralógica e tecnológica de minérios e minerais industriais, processamento mineral, processos metalúrgicos extrativos, incluindo a rota biohidrometalhúrgica. Ainda são contempladas as atividades orientadas para a produção de materiais de referência certificados, além de outras atividades vinculadas às demandas da indústria minerometalúrgica. Na área ambiental, são realizadas atividades de pesquisa e desenvolvimento em gestão ambiental, com foco na recuperação de áreas degradadas, avaliação dos impactos das atividades e de seus passivos, recuperação de metais, reciclagem e tratamento de resíduos e efluentes industriais, tecnologias limpas e biorremediação. Mais recentemente, o CETEM incluiu em suas atividades de PD&I estudos focados no aproveitamento de fontes alternativas minerais, visando diminuir a dependência de importação de fertilizantes, tanto para a produção agrícola, quanto para a produção de biocombustíveis.

No Núcleo Regional do Espírito Santo, localizado em Cachoeiro de Itapemirim, que conta com 40 colaboradores, os pesquisadores do CETEM executam projetos relacionados com a caracterização e a alterabilidade de rochas ornamentais e de revestimentos, abundantes na região. A equipe desenvolve, ainda, melhorias tecnológicas no processamento de rochas ornamentais e presta serviços para as empresas da região. Além disso, a infraestrutura instalada permite o desenvolvimento de projetos na área de beneficiamento de calcários, agregados para construção civil e minerais industriais. Parte de sua capacitação técnica institucional está focada no atendimento às micro, pequenas e médias empresas.

Foi concebido, estrategicamente, pelo governo federal, na gestão do então Ministro de Minas e Energia, Professor Dias Leite, no início dos anos 1970, para subsidiar a implementação de uma política da época, que visava substituir as importações de bens minerais e prover com soluções tecnológicas o setor minerometalúrgico do País.

Iniciou suas atividades em 1978, no Rio de Janeiro, subordinado ao Ministério das Minas e Energia (MME), no âmbito do convênio operacional assinado entre a Companhia de Recursos Minerais (CPRM) e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Onze anos mais tarde, em 1989, foi inserido no sistema de gestão do MCTIC e passou a ser gerido como uma das unidades de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Desde o ano 2000, encontra-se sob a gestão da Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa do MCTIC (SCUP).

Desenvolver tecnologias inovadoras e sustentáveis, e mobilizar competências visando superar desafios nacionais do setor mineral.

Ser o centro da excelência em PD&I de tecnologia mineral, reconhecido por sua contribuição estratégica para o País.

Excelência Científica e Tecnológica
Executar as ações de PD&I, em todas as áreas de sua atuação, usando métodos e procedimentos pautados pela qualidade, coerentemente com a interdisciplinaridade e com uma visão global dos temas.

Crescimento Organizacional
Desenvolver uma gestão que estimule a criatividade , a inovação e o compartilhamento de conhecimentos para aumentar a capacitação institucional.

Ética e Transparência
Conduzir uma gestão comprometida com a conduta ética e transparente, valorizando os colaboradores e respeitando a diversidade e/ou métodos de trabalho.

Valorização do Conhecimento
Investir na capacitação contínua de seus profissionais incentivando e valorizando as competências.

Responsabilidade Social
Atuar em consonância com os paradigmas da sustentabilidade, considerando as influências e consequências sociais, econômicas, culturais, tecnológicas e ambientais.

  1. Implementar mecanismos de inteligência competitiva e gestão do conhecimento no setor minerometalúrgico.
  2. Desenvolver e otimizar processos de beneficiamento, metalurgia extrativa e reciclagem de bens minerais.
  3. Prospectar e realizar ações de PD&I em tecnologias emergentes aplicáveis ao setor minerometalúrgico.
  4. Suprir as necessidades de serviços tecnológicos no setor minerometalúrgico.
  5. Executar atividades de pesquisa e de desenvolvimento científico e tecnológico orientadas para exploração de bens minerais em áreas sensíveis de interesse nacional.
  6. Executar atividades de pesquisa e de desenvolvimento científico e tecnológico orientadas para exploração de bens minerais com foco na sustentabilidade.
  7. Atuar na estruturação e na gestão tecnológica de arranjos produtivos locais de base mineral, núcleos regionais e de entidades associadas regionais.
  8. Apoiar a transferência de tecnologias mineral e ambiental para pequenas e médias empresas com vistas ao desenvolvimento sustentável.
Fim do conteúdo da página